Um Raspberry Pi na Internet...

Raspberry Pi

Ainda tentei ligar a caixa de fósforos por Wi-Fi, mas estava a aquecer muito! Tive medo que pegasse fogo! :)


Há alguns meses decidi que estava na hora de eu ter o meu próprio servidor. Era uma ideia que já tinha alguns anos mas que eu não tinha querido concretizar devido à complexidade da mesma. No entanto, nunca deixei de me interessar pelo assunto e, numa das minhas investigações, descobri o YunoHost, um sistema operativo para servidor, baseado em Debian, que facilita todo o trabalho de configuração do servidor e das respetivas aplicações.

No mesmo ano de lançamento do YunoHost, 2012, surgiu também o Raspberry Pi! Deste já eu tinha ouvido falar alguns anos antes de ter descoberto o YunoHost e sempre me agradou o conceito: um microcomputador acessível, simples, com o objetivo de levar os mais novos a iniciarem-se na criação informática e de a democratizar ao mesmo tempo.

Assim, encomendei o último grito da família Raspberry Pi, uma máquina do tamanho duma caixa de fósforos, com um processador Broadcom BCM2711, Quad core Cortex-A72 (ARM v8) 64-bit SoC @ 1.5GHz e 8GB de RAM (esgotadinhos há tempos...)!

Logo nessa altura tentei instalar-lhe o Yunohost mas sem sucesso. O software ainda não tinha sido adaptado à nova máquina acabadinha de sair da fábrica!

Assim, ficou à espera uns tempos até que surgisse a oportunidade de voltar a tentar. Essa oportunidade surgiu na interrupção escolar do fim de ano e nesta primeira semana deste novo ano, dado que fui forçado a estar em casa, por motivos de saúde. Aproveitei para investigar e dar vida à máquina. E é disso que vos vou falar.

Então, vamos lá...

Não sendo perito em informática, tentarei ser o mais claro possível na explicação dos passos necessários para uma instalação bem sucedida do servidor. E estas instruções estão a ser escritas a pensar em curiosos brincalhões como eu. Os gurus das TIC não aprendem nada comigo!

Material necessário:

  1. Kit Raspberry Pi;
  2. YunoHost;
  3. Um domínio. É recomendada a sua aquisição/transferência nos/para os serviços sugeridos no site do YunoHost, dado que é melhor trabalhar com os serviços testados. Foi o que fiz.
  4. Serviço de DNS dinâmico. Aconselha-se o mesmo que no ponto anterior. Eu optei pelos serviços Gandi e No-Ip.

E começou a aventura...

  1. Com o software balenaEtcher “flashei” o YunoHost para dentro do cartão SD. Sugiro que saltem este passo, e optem logo por um disco SATA SSD. É muito mais robusto e rápido e terão mais espaço, também. (Sugestão de dois entendidos na matéria: @cadusilva@bolha.one e @ammdias@masto.pt.)
  2. Depois, (a ordem é indiferente, aqui) se não criaram ainda o domínio e os subdomínios, terão de o fazer. Isto será feito no vosso serviço de DNS dinâmico, depois de terem transferido a gestão do mesmo para lá.
  3. Agora temos de criar o primeiro utilizador do servidor. Sugiro que criem um encaminhamento de email para o mesmo, para um endereço que já funcione. Atenção às notas!
  4. Antes de instalarmos as aplicações que nos interessam, temos de fazer a instalação dos domínios/subdomínios e dos respetivos certificados.
    1. Para a parte dos domínios/subdomínios, é só escolher a opção Domínios e preencher os formulários;
    2. Depois, é necessário ligar ao servidor através da consola seguindo estas instruções;
    3. De seguida, vai-se ao site Let's Encrypt, a partir do qual iremos obter o software Certbot que nos permitirá criar os certificados, seguindo estas instruções, de acordo com o sistema operativo;
    4. Finalmente, estamos preparados para pedir os certificados. É só correr o programa, de acordo com as instruções no site.
  5. Agora que já temos o hardware com o software do servidor instalado, o primeiro utilizador criado, o domínio e os subdomínios criados e no sítio, com os respetivos certificados Let's Encrypt instalados, está na hora de começar a instalar as aplicações.
  6. Para as minhas necessidades eu escolhi 4 aplicações Pleroma (rede social), Piwigo (galeria fotográfica), WriteFreely (blog) e Yourls (encurtador de urls). São todas aplicações leves. Cada um escolherá as existentes e necessárias ao seu caso. Já agora, é possível fazer um test ride (desculpem, eu gosto mesmo de motas) no site do YunoHost. Assim, ficam com uma ideia das aplicações existentes e de como a coisa funciona.
  7. A experiência de instalação é semelhante em todas. Escolhe-se o domínio onde se quer instalar a aplicação, o utilizador que será o administrador da mesma, a pwd e é esperar que ela instale. Atenção que algumas aplicações podem levar meia hora a instalar. É normal! Por isso, vão beber um café e deixem a máquina trabalhar em paz! :)
  8. Depois da instalação das aplicações, vai-se a Diagnóstico e ficamos à espera que ele nos diga o que faz falta nos registos de DNS ou se há algum outro erro. Com essa informação, vamos ao site onde fazemos a configuração dos registos DNS e é só copiar o que está dentro de aspas para os respectivos campos.

E já está!

Divirtam-se e, se tiverem alguma dúvida, perguntem.

Bem hajam!

Notas:

  1. Sugestão muito importante: usem apenas passwords alfanuméricas para evitarem possíveis situações complicadas com algumas aplicações;
  2. Ao criarem os certificados para os vossos domínios, façam isso individualmente, um a um;
  3. Estas orientações pressupõem a leitura atenta das instruções no site do software YunoHost.

#raspberrypi #tic #yunohost #debian #servidor

João Pinheiro